domingo, 5 de setembro de 2010

Buenos Aires VIII



Sétimo dia - sexta-feira

Mais um dia bem chuvoso. Fomos valentes o suficiente para nos aventurarmos em uma ida, debaixo de chuvisco forte e contínuo, até o prédio do Congresso. O edifício é bastante imponente e é ligado ao prédio do poder executivo pela Avenida de Mayo. Fizemos um pit stop no supermercado para experimentar os deliciosos alfajores Jorgitos, tão falados pelos locais e que fazem jus a fama. Vale a pena e um pacotinho com 6 alfajorzitos custa 5 pesos!
Aproveitamos para bater perna por toda a Avenida Callao em meio a lojinhas e sebos. Depois de algum tempo finalmente nos rendemos a comprar paráguas – uma das palavras mais incríveis que existem em espanhol – quando, naturalmente, parou de chover. Murphy explica.
No meio de toda essa andança, passamos por várias filiais da Livraria El Ateneu, mas ainda não tínhamos entrado NA original que fica na Avenida Santa Fé, 1860. Entramos. É absolutamente es-pe-ta-cu-lar, dá pra ficar horas e horas por lá – sem contar que o fato de terem transformado um cinema em uma livraria já é, por si, uma revolução. Toda a arquitetura foi mantida e apenas o palco de apresentações (ainda com a cortinha vermelha), foi transformado em café. Os balcões laterais estão recheados de prateleiras e algumas poltronas para leitura e o piso inferior é integralmente dedicado a crianças, música e shows. Recomendadíssimo!
Mais uma parada rápida obrigatória para quem vem a Buenos Aires: a sorveteria Freddo. São várias espalhadas pela cidade e nós paramos na da Av. Santa Fé, aproveitando que já estávamos por lá. Os sorvetes realmente são bons, são vários sabores inspiradores e, claro, oito opções diferentes de dulce de leche. Vale à pena.
Hoje decidimos, também, conhecer outra lenda da cidade: o Café Tortoni (Av. de Mayo, 825). Com alguns minutos de espera conseguimos uma mesa ao lado do busto de um dos antigos freqüentadores ilustres, Jorge Luis Borges. Comemos outra especialidade da cidade, o famoso jamón y queso no pão de miga. O café é todo emperequetado de memórias de um tempo áureo e muito explorado pelos turistas. Vale a visita, mas a cidade apresenta muitos outros cafés charmosos também. No caminho, por exemplo, demos de cara com um café fantástico que tem bailes de tango todos os dias. Depois fomos nos dar conta que se tratava de outra entidade porteña, a Confiteria Ideal (Calle Suipacha, 380). Pra quem quer admirar velhinhos dançando à moda antiga é uma verdadeira máquina do tempo.
Já saudosos de San Telmo – um dos bairros que mais gostamos – resolvemos dar mais uma passada por lá, descendo toda a Calle Balcarce, que é paralela a Calle Defensa. A rua é muito gostosa e vai se entrecortando com outras ruelas ao longo do caminho, fazendo um percurso sinuoso no meio dos paralelepípedos. Essa dica foi dada pelo amigo Juan Carlos do café Las Cortaderas do post de dois dias atrás.
Neste dia havíamos nos prometido ver um tango a noite. Ou pelo menos algo relacionado ao tango, não necessariamente uma cena-show (jantares servidos com apresentação estilizada de Tango – hiper turístico e bem caro!). O nosso amigo do Las Cortaderas – de novo - havia nos indicado um local chamado Torquato Tasso (Calle Defensa, 1575), em San Telmo, com a garantia de que lá veríamos um tango espetacular. Compramos os ingressos no escuro e quando voltamos, lá pelas 21h00, chegamos a um espaço simples e recheado de porteños com um único objetivo: ouvir um bom tango.
A apresentação do dia era o novo CD de Raúl Garello, Tiempo Fuerte, ele mesmo tocando acordeom acompanhado de uma banda de seis músicos virtuosos, entre eles um violinista arrepiante. Foi maravilhoso, o ambiente era muito bom. Pagamos 50,00 pesos por pessoa e realmente valeu muito. Voltaríamos lá sem dúvida, uma das melhores indicações da viagem.
Já meio alcoolizados e dançando tango pelas ruas, voltamos para o hotel felizes da vida.

Um comentário:

Celina disse...

Genial!

Parabéns ao nosso amigo da "Las Cortaderas".
Isso é viajar! Saber conversar e obter delicadamente as informações especiais fornecidas apenas a clientes especiais.
Evidente que na minha próxima ida a BA farei um das refeições neste local.

Linda a foto do teatro transformado em livraria; que idéia inspiradora essa adaptação de uso principalmente porque a energia deste local dever ser enorme e puramente artística.

Tango: uma das formas de maior demonstração da energia sensual entre dois corpos dançantes.( (declaração de um grupo que se apresentava próxima a rua Florida)

Esse dia realmente foi muiiito bom!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...