quinta-feira, 3 de fevereiro de 2011

Sedona & Phoenix

Sedona

A viagem, que neste ponto já se encaminhava para seus momentos finais, ganhou mais um sabor de surpresa ao deixarmos Flagstaff em direção à Phoenix. Literalmente descendo a montanha, nos deparamos com uma estrada exuberante de formações rochosas em um cenário extremamente familiar aos fãs de cinema.
Onde estão os índios? E o Big Jack?


Acostumado a acompanhar meu avô nas tardes de sessão “Bang-Bang” da TV Record em boa parte de minha infância, Sedona se mostrou grata surpresa pela beleza natural e pela incrível reminiscência: o deserto vermelho com cactus verdes e montanhas deformadas pela erosão de ventos e chuva. A paisagem, além de ter servido de cenário á inúmeros filmes de faroeste, é a inspiração para o palco das aventuras de Papa-léguas e Coiote.
Beep Beep!


Além das belezas naturais – que já valem a visita –, a cidadezinha de Sedona (um conjunto de poucas ruas) é extremamente agradável, contando com cafés, lojinhas de artesanato, galerias de arte e alguns restaurantes. É famosa também por seus parques naturais no deserto, trilhas, escaladas e curiosamente pela concentração da oferta de terapias alternativas (exotéricas, sexuais, orientais, etc).
Charmoso comércio local


Infelizmente acabou sendo somente uma cidade de passagem. Passeamos rapidamente em seu charmoso centro comercial – onde Gabi teve a oportunidade de gastar seu francês com lojistas canadenses – e admiramos de longe as diversas montanhas com formatos esquisitos. Aconselhamos a visita à capela Holly Cross projetada pelo arquiteto Frank Lloyd Wright, muito bacana.
Capela incrustada na pedra. Projeto de Frank Lloyd Wright


A dica pra quem vem de Flagstaff rumo a Phoenix é dormir uma noite a menos no Grand Canyon e passar um dia completo nesta charmosa cidadezinha. É o que certamente teríamos feito se soubéssemos de tudo isso. Bem, fica pra próxima: beep-beep!

Phoenix

Phoenix foi a grande decepção dessa viagem. Desde adolescente sempre tive uma vontade quase que inconsciente de conhecer essa cidade no meio do deserto. Talvez pela preferência pelo time de basquete local, o Phoenix Suns de Tom Chambers e depois Charles Barkeley, enquanto o resto dos amigos torcia pelo Bulls de Michael Jordan. A verdade é que tivemos tempo de sobra e poucas atrações turísticas – ao menos para incautos visitantes de passagem como nós.

Ficamos no hotel mais “baratex” que achamos e que pudesse representar algo de limpo e seguro. A idéia era fazer da cidade um posto de parada antes da longa viagem de volta a Los Angeles. Dalí, os guias indicavam um jardim botânico como grande atração da cidade e nada de muito diferente para a culinária local. Certamente devem existir programas incríveis e restaurantes fantásticos nesse lugar, mas a verdade é que na situação em que nos encontrávamos resolvemos aproveitar o tempo para fazer o que se pode fazer em qualquer lugar dos Estados Unidos: compras em grandes redes e jantar em restaurantes conhecidos. O objetivo era tentar adiantar as compras reservadas para Los Angeles e ganhar tempo por lá para outras atrações.

Após visitarmos lojas sensacionais destinadas aos amantes do motociclismo (Harley Davidson – loja imensa, vale a pena, e Cycle Gear, igualmente incrível) rumamos ao símbolo supremo do capitalismo norte americano: uma Super Target.
Incrível loja da HD de Phoenix
O jantar o ponto alto do dia. Duda nos apresentou a uma rede de restaurantes japoneses que está em todo país, o Benihana. Trata-se de um local onde os comensais se juntam em torno de uma chapa e o chef prepara o seu prato na sua frente, com direito a malabarismos. Apesar da idéia um pouco caça-níquel a comida é de primeira e os pratos deliciosos. O preço não é de fast food, mas vale cada centavo!

Dormimos cedo para no dia seguinte deixar Duda no aeroporto e pegar a longa estrada de volta a Los Angeles e fechar o ciclo da fantástica volta pela Califórnia, Nevada e Arizona. Infelizmente, a viagem chegava ao seus momentos finais.

2 comentários:

CasaMila.com disse...

Olá

Vi atraves do forum do google, que vc teve problemas quando foi comprar seu dominio.
eu tive extamente o mesmo problema, vc consegui resolver?

por favor me ajude.

Obrigada

Ivan e Gabi disse...

Olá,

Na verdade não resolvi o problema, o contornei. Acabei abrindo mão do dominio ".com" e refiz o processo todo solicitando um domínio ".org". É absolutamente inadmissível o que o google coloca como "atendimento". simplesmente não existe! Uma dica importante que só fui descobrir depois é estar atento a sua conta no 'google checkout', pois lá ficam gravados todos os seus gastos. Então, se vc já passou o cartão de crédito é bom conferir antes de fazer o que eu fiz. Qq coisa, estamos aí!

Um abraço

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...