sábado, 17 de novembro de 2012

Tofo - Moçambique




Light Painting na praia!

Ivan já havia pesquisado, entre a correria do casamento e a viagem de volta ao mundo, que Moçambique era um dos melhores pontos de mergulho da costa leste africana. Mas nos nossos sonhos mais ousados não poderíamos imaginar o que viria pela frente.


Não é o paraíso?

A Praia do Tofo fica próxima a Inhambane, uma cidade bastante conhecida e frequentada pelos moradores do país. Nós decidimos chegar lá da maneira mais autêntica possível: de chapa – o que significa em torno de 7 a 8 horas de viagem espremidos numa lotação que faz apenas uma parada pra banheiros e lanche. De toda forma, chegamos ao Tofo exaustos e fomos logo recebidos por um mar de cor azul profundo, daquele que só o Índico é capaz. Dica: vale a pena comprar a passagem diretamente no Fátima’s Backpackers em Maputo – o que evita uma ida à Junta e vale a pena do ponto de vista custo-benefício.

"Chapa", versão nacional para nossa Lotação.

Tofo é bastante pequena e nos impressionou a quantidade de operadoras de mergulho. Depois de conhecermos algumas, optamos pela Diversity que fica bem no centro da cidade e tem uma estrutura muito boa de equipamentos, embarcações, instrutores e dive masters. Chegando lá, conversamos com a equipe e eles nos avisaram que a metereologia apontava que o mar estaria muito bom para mergulho no dia seguinte a nossa chegada. Muito bem, as 7h00 estaríamos lá para a nossa primeira saída!

Praia do Tofo.

Dormimos a primeira noite no alojamento do Fátima’s Nest Backpackers e no dia seguinte fomos dar uma olhada em outros lugares para ficar porque, afinal, estamos em lua-de-mel e era baixa temporada – preços bons! Decidimos ficar na pousada Casa na Praia, dirigida por uma italiana muito simpática, a Laura, e tivemos excelentes momentos de conversa, leitura e pasmaceira de frente para o mar – porque os quartos são, literalmente, pé na areia.

Vista panorâmica da varanda da pousada Casa no Mar.

Detalhe das lanternas na varanda.
Dois bons lugares para comer na vila: Casa de Comer – um restaurante mais arrumadinho, tipo bistrô, com comida moçambicana e massas, mas um pouquinho mais caro; Tofo Tofo – nossa opção para todos os dias, com comida típica moçambicana a preços bem acessíveis em um lugarzinho simpático onde todos os locais iam terminar o dia. Ambos recomendadíssimos mas esteja preparado para esperar pelo menos uma hora pelos pratos enquanto se delicia com uma das cervejas nacionais. Só diremos uma coisa: paraíso de frutos do mar...e baratos!!! Comemos lagosta, camarão, carangueijo, lula, polvo... Tem mais?

Peixes assados para Luau na praia.

O primeiro mergulho que fizemos foi na Galleria, um dos melhores pontos de Tofo permeado por um rico recife com várias cleanning stations que frequentemente atraem raias mantas. Estávamos bastante animados com o nosso primeiro mergulho profundo em águas internacionais mas não tínhamos nos preparado para o que viria pela frente. Depois de apenas 20 minutos de lancha inflável (com saída da praia, o que é bem legal), descemos rapidamente a 31 metros de profundidade e nos deparamos com mais de 10 metros de visibilidade. Chegando lá, nossa impressão foi de estar num aquário ornamental: peixes de todos os tipos e cores, uma garoupa enorme, lagostas gigantes nas suas tocas, vários peixes leão e para fechar com chave de ouro, uma tartaruga monstruosa nos encontrando naquelas profundezas. Foi simplesmente maravilhoso e gostamos tanto que acabamos mergulhando lá mais duas vezes – e cada uma delas valeu a pena!

Peixinhos e mais peixinhos! (Valeu Marcão, funciona!!!)

Depois fizemos uma saída para o famoso Manta Reef, que fica ao sul de Tofo e é um bom local para avistar mantas. Este também é um ponto de mergulho profundo e, como os nossos instrutores mesmo haviam nos avisado, quanto mais fundo se vai maiores são os animais que podemos encontrar lá. De fato, logo na nossa descida encontramos duas garoupas enormes que simplesmente não se intimidaram pela nossa presença e, curiosas como são, nos rondavam sem o menor constrangimento – até porque uma delas com certeza era maior que a Gabi.

Olhem o tamanho da garoupa comparada ao outro mergulhador.

No meio de tantos mergulhos ficamos muito amigos de um dos instrutores da escola, o Jamie (vejam em Laços pelo Mundo). Ao perceber o tamanho da expectativa da Gabi em encontrar as baleias e as mantas, ele nos presenteou com lucky beans e pediu para guardá-los para o dia seguinte. Ele prometeu que faria todo o possível para vermos as baleias e as mantas – já que naquela semana ninguém tinha avistado um tubarão baleia e portanto seria praticamente impossível fazer snorkeling com eles. 

Aquário infinito.


Dito e feito: logo no início do nosso último mergulho, ainda na expectativa do nosso primeiro encontro com estes animais maravilhosos, ouvimos o Jamie gritar de alegria e, quando olhamos em frente, vindo em nossa direção, duas mantas. Lindas, arrebatadoras pelo tamanho e leveza, voando graciosamente sobre o recife praticamente alheias a nossa presença. Como se não bastasse, quase no final do mergulho fomos agraciados, mais uma vez, com a presença de uma raia manta gigante (5m!!!) que passou pela nossa lateral exibindo-se altiva no meio daquela imensidão azul.

Manta gigante! Oh yeah!!!

Cruzando o mar para um dos pontos de saída, mais uma surpresa maravilhosa: além de termos passado por um grupo de golfinhos, pudemos observar, a cinco metros do barco, uma baleia corcunda com seu filhote descansando na superfície. Outro dia, em uma caminhada que fizemos para Tofinho (praia que fica ao lado de Tofo), já tínhamos avistado lá longe um grupo de baleias brincando pela costa, mas vê-las assim, tão pertinho e se deparar com a imensidão e tranquilidade destes gigantes marinhos foi simplesmente um privilégio inesquecível. É de engrandecer o coração.


Ivan carinhosamente apelidou esses passarinhos de "putitos", pois eles sempre fugiam das fotos.

De quebra ainda encontramos os queridíssimos Rezão e Carol, fruto do puro acaso. Só no paraíso...

De Brasília/São Paulo ao Tofo!

Missão cumprida! Sorriso no rosto que durou alguns dias e uma sensação de gratidão infinita por essa natureza exuberante que se permite ser observada. Não bastasse a praia paradisíaca, pessoas extremamente queridas (Ana e Rita também em Laços pelo Mundo) e boa comida fizeram com que ficássemos uma semana no Tofo. E poderíamos ter ficado indefinidamente se nossa ânsia de volta ao mundo não nos chamasse para nosso próximo passo: Tanzânia, aí vamos nós.

Futebolzinho na praia ao entardecer.


6 comentários:

Rodrigo Zanella disse...

Não acredito que foram encontrar o Rezera lá. Lindas foto, gostei muito da primeira.

Carolzinha disse...

Que buena onda! To sentindo daqui! <3

Anônimo disse...

Queridos

Tenho uma parede na sala que há 12 anos espera por um quadro.Certeza absoluta que até outubro de 2013 terei escolhido a foto que fará parte da minha casa e será colocada neste lugar vago.

Cada nova postagem as fotos acrescentam mais sabor e sensibilidade. Parece que abrem os poros,a luminosidade e a intensidade.

Continuem, por favor, clicando esses segundos eternos.

Celina

Marcos disse...

Irado casal! Fico feliz de ver que vcs usaram o presente, imaginava que num mergulho ela nao fosse ser 100%, luz eh tudo pra essa camera..mas mto legal de ver vcs usando!

Priii+Jooh disse...

Que Lindoo..Paisagem Fantástica e Incrivel..Lindos Lugares^^vocês tem bom gosto..
Ótima Lua de Mel.
Bjs

Ivan e Gabi disse...

Obrigado, queridos, vamos que vamos!!! Ce, já temos um acervo de mais de 5 mil fotos... Vai ser dificil escolher. Beijos

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...