quarta-feira, 31 de julho de 2013

Trekking no Annapurna: Dia 6 - Nepal





DIA 6 – 01/05/13

Chame a Pisang (3.300m): 5-6 horas de caminhada

Descrição do programa:
Um caminho inclinado e estreito entre uma floresta bastante densa nos levará para uma dramática face curva das montanha, a 1.500 metros do rio. A floresta e uma vegetação cheia agora terão ficado para trás. Nós atravessamos várias vezes o rio por meio de pontes suspensas. Conforme a trilha se abre e aponta para cima, nós ficaremos cercados pelos majestosos picos do Himalaia. Nós estaremos num vale de Manang em formato de “U” localizado entre dois picos nevados gigantes e depois de caminhar por estes lugares maravilhosos nós chegaremos a Pisang.




"Sentado na escada do mosteiro budista no alto dos 3.500m, escrevo rodeado de uma sequência de amarelos, verdes, vermelhos, brancos e azuis.

"nossa beleza e nossa motivação"
O vento chega cortante, trazendo o gelado do alto dos picos nevados que agora já têm nome: Annapurna II, IV e Lamjung Himal. Nos vigiando do alto do vale de Pisang, eles são nossa beleza e nossa motivação.

Portão do mosteiro.
A caminhada que fizemos foi bastante curta, saindo de Chame e passando por diversos vilarejos. Logo já estávamos abaixo da formação rochosa herdeira da era glacial e que tem o formato de um “U” côncavo, mas com mais de 7.000m de altura. A sensação é de estar protegido por essa imensa muralha de pedra e gelo.

A formação em "u" parece uma gigante pista de skate.
 
O cenário das trilhas também está cada vez mais fantástico, com imensos pinheiros de ambos os lados formando florestas inteiras, ladeadas pelo rio e cachoeiras ocasionais. Ao olhar para cima, a presença colossal dos picos nevados, cada vez mais próximos conforme subimos.
Cenários assim motivam a caminhada.

A caminhada foi interrompida algumas vezes por grupos de mulas que desembestam montanha acima. O número de turistas também aumentou bastante e já reconhecemos algumas caras repetidas ao longo da trilha.
Mulas carregadas de mantimentos cortam as montanhas.

Aqui no alto, seguimos conversando sobre o frio com uma alemã, um malaio, uma austríaca matraca, um indiano, dois franceses e um boliviano(!).
"Caminantes con frio!"
 Hoje também foi o dia em que estressamos com Guiam, nosso guia. Como a caminhada foi curta e chegamos em Pisang antes das 14h perguntamos se não poderíamos seguir mais adiante, até para tirar parte da difícil rota de amanhã.
Pisang alta.

E tem gente que leva mala de rodinha pra trilha... Santos carregadores!

 A dificuldade em comunicar-se em inglês somada às piadinhas sem graça na trilha fizeram com que a Gabi perdesse a paciência com a negativa em continuarmos a andar.
É melhor sair da frente... 
 
A relação com ele tem sido simplesmente cordial, muito diferente do que vemos nos outros grupos que encontramos. Nem ele nem Prem, nosso carregador, comem conosco apesar da nossa insistência.
Pedras de oração.
 Vejamos como isso irá evoluir pois nos aproximamos de Thorong La, a parte mais perigosa desse trekking e é importante ter confiança na pessoa que vai nos assistir nesse momento.
O frio aperta, o vento também."
Detalhe do templo budista.

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...