domingo, 4 de agosto de 2013

Trekking no Annapurna: Dia 10 - Nepal







Dia 10 – 05/05/13

Yak Kharka a Thorong Phedi (4.600m): 3-4 horas de caminhada.

Descrição do programa da agência:

Hoje nós seguimos caminho rumo ao pé da passagem, Thorong Phedi. Esse é um pequeno mas atarefado alojamento que atende as necessidades de caminhantes e alpinistas cansados. As pessoas usam este ponto como um “base camp”. Outros ainda tentam uma subida até o High Camp de maneira que o próximo dia seja menos cansativo, mas nós definitivamente desaconselhamos passar a noite lá porque dormir em altitudes maiores não é recomendável. Ainda que nós tenhamos um dia puxado amanhã, nós pararemos em Thorong Phedi para que possamos dormir bem ao invés de arriscar dormir em um local mais alto no High Camp.




A Véspera
 
É chegada a hora. O momento que esperamos por 10 longos dias desde que avistamos a cadeia de montanhas, ainda do ônibus desconfortável, em Besisahar.
Tudo branco na saída de Yak Kharka.

Nos encontramos na base do Thorong La, a 4.450m de altitude, num frio próximo de zero – que deve cair a 15oC negativos no meio da noite. A sala comum aos trekkers é uma cabana de lona, algumas mesas e um aquecedor – além de um deslocado sistema de som de última geração (vai entender...).
O que é um pontinho vermelho no meio do vale nevado? A Gabi, claro...

Saímos debaixo dos 15kg de cobertor de Yak Kharka as 7h e encontramos absolutamente tudo branco lá fora. Ao que parece, nevou a noite inteira e nossa caminhada seria entre poças congeladas e arbustos brancos.
Dormimos nessas casas de boneca pra acordar com tudo branco em Yak Kharka.

Apesar do trajeto curto e com um ganho de altitude gradual, hoje foi o dia mais difícil para a Gabi. O frio é seu inimigo número 1 e ela sofreu bastante nas subidas. Até cólicas sentiu.

 
Apesar do esforço, fizemos o trajeto em 3h - tempo considerado padrão para o percurso. A chegada em Thorong Phedi é literalmente o fim da linha. Para seguir daqui, só indo para cima, enfrentando a passagem mais alta de todo o circuito do Annapurna, nosso destino tão esperado de amanhã.
Cachoeira congelada.

Muita gente escolhe continuar caminho até o High Camp e começar a travessia da passagem com 1h de vantagem. Isso faz com que essas pessoas ganhem mais de 800m em um só dia, o que pode ser arriscado em termos de doença de altitude.
Trilha que leva de Yak Kharka a Thorong Phedi.

Resolvemos ser mais conservadores e não arriscar. Sairemos as 4h30 da manhã – ou melhor, da madrugada – mas estaremos fora da zona de risco.
 
Por todos os lados há paredões gelados. Abaixo do acampamento, o rio corre tímido de um azul glacial. Para cima, nosso futuro.
O rio corre tímido lá embaixo.

Após o almoço, quando achamos que descansaríamos, Guiam nos avisou que faríamos outra caminhada de aclimatação, subindo 400m até o High Camp. A subida super inclinada nos deu a prévia do que encontraremos amanhã no escuro e no frio.
 
Além do paredão pedregoso, só uns cavalos peludos que se atrevem a pastar quase pendurados na descida.
 
 
Jantaremos as 18h, dormiremos as 19h e as 4h30 partiremos. Chegou a hora!"

Um comentário:

Celina disse...

Queridos

Como é possível eu ter medo de ler o dia da passagem se eu já encontrei ao vivo e a cores com vocês?

Por que o ser humano precisa de desafios?

Conheço a sensação de frio extremo; um dia eu conto minha experiência.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...